Pantera Negra e o grito pela presença da mulher negra no mercado de trabalho

Fonte: Google imagens 

Por Amanda Sávia, Piauí

Pantera Negra está batendo recordes de público no cinema desde que foi lançado. O filme conta a história pelo poder da fictícia Wakanda, nação que fica no continente africano e que é extremamente tecnológica. Acaba se escondendo do resto do mundo para não ter sua riqueza roubada pelo "colonizador". Além disso, o sistema é de monarquia e é o título de Pantera Negra que é disputado no decorrer do longa.

Várias reflexões estão sendo puxadas pelo público após a saída do filme, e eu resolvi pontuar uma que me deixou bastante reflexiva:a presença das mulheres de Wakanda em todos os setores como participante ativa. Ela está na política, na luta e na tecnologia, se destacando e ouso falar: até mais presente que o homem.

O que para a nossa realidade atual no Brasil, só pode ser ficção. O fato aqui é o de mulheres negras sendo as maiores detentoras das taxas de desemprego e permanecendo por mais tempo desempregadas. Inglês? Elas tem dificuldade no término da escolaridade básica. Ver uma Wakanda com mulheres negras em todo canto causa admiração porque não conseguimos ver isso refletido no nosso mercado hoje.

Mesmo com a tendência da inclusão e diversidade racial nas empresas que começou nos últimos anos, é difícil sair pro happy hour com os colegas de trabalho e não ser servido por negros numa mesa só de empreendedores e seus funcionários também brancos.

Ser negra numa empresa, trabalhando com tecnologia, política ou sendo uma tomadora importante de decisão na mesma ainda é uma conquista árdua de um sistema de um país que prega uma meritocracia que não pode dar.

Aproximando-se do Dia Internacional da Mulher, eu faço um convite para que nós criemos um movimento: lembra de alguma mulher negra que tá no mercado de trabalho se destacando num projeto? Vamos fazer essa voz ser vista e ouvida, criando uma rede! Afinal, acredito que não precise que o Vibranium caia no nosso país para que evoluamos a busca pela igualdade racial e de gênero. E você? #empreendedorismofeminino #mulheresnegras

Sobre a autora


Amanda Sávia é formada em comunicação social com ênfase em jornalismo e está se especializando em marketing digital e mídias. Ela já trabalhou em agências de publicidade, organizações não governamentais e Startups. Atualmente, Amanda cria conteúdos via redes sociais e gerencia a própria empresa, o Clube dos Cachos, além de fazer parte da equipe do Afroricas.